"E então tudo mudou…": estudo qualitativo das experiências de vinculação prenatal por parte dos pais (homens) = "And so it changed everything…": qualitative study of fathers’ experiences of antenatal attachment

Ana Lagarto, Maria Duaso

Resumo


O envolvimento na gravidez por parte dos pais tem vindo a mudar e a aumentar nos últimos anos. Estudos mostram que o apoio do parceiro tem grande importância para a saúde mental das mães e o desenvolvimento saudável das crianças. No entanto, a maneira como os pais vivem a experiência da gravidez e a sua relação com o feto ainda não é completamente compreendida e poderá ter impacto na vinculação futura e o suporte familiar que este pode providenciar. O objectivo principal deste estudo é explorar as experiências de vinculação prenatal por parte dos pais. Para ajudar a responder a esta questão, tambem se formularam os seguintes objectivos: perceber como a vinculação prenatal começa e se desenvolve durante a gravidez nos pais; explorar como os pais percebem, descrevem e manifestam vinculação; identificar potenciais factores que interfiram com o fenómeno. Este estudo segue um design qualitativo usando entrevistas semi-estruturadas. Análise Fenomenológica Interpretativa foi utilizada para intrepretar as entrevistas feitas com 11 pais expectantes no Sudeste de Londres. Quatro temas emergiram da análise: o momento desencadeante (trigger moment): quando a vinculação começa; consciência da responsabilidade; transição para a parentalidade; conflito emocional. Os pais experienciaram a gravidez como níveis de realidade (descobrir sobre a gravidez, ver o bebé na ecografia, ver a barriga a crescer, sentir movimentos fetais, preparar-se para o parto) e com cada um destes níveis o bebé torna-se mais real. Dentro desta progressão de realidade, a maioria dos pais sentiu o momento desencadeante que tornou a situação de se tornar pai mais clara. A partir deste momento também foi notado um início ou intensificação de comportamentos de vinculação do pai para com o feto. No progresso da vinculação muitos pais mostrar estar preocupados mas também felizes ao imaginar o future (tanto imediato como a longo-prazo). A maioria dos pais nesta amostra procuraram maneiras de se tornarem bons pais e tinham preocupacoes sobre como o poderiam fazer. Membros de família masculinos e amigos com crianças, incluíndo amigos encontrados através dos grupos de educação prenatal, providenciaram a maioria do apoio aos pais expectantes. No entanto, os pais ainda sentem que têm pouca orientação sobre o seu papel. Alguns manifestaram haver pouca preocupação e apoio para assuntos relacionados com a saúde mental dos pais. Como midwives, estamos numa posição priveligiada de ser o provedor de serviços primário da família durante a gravidez. Muito mais pode ser feito para apoiar os homens na sua jornada, para que estes possam apoiar as suas companheiras e bebés, através de cuidado focado na família e uma maior compreensão do que estes precisam e das suas experiências.


Fathers' involvement in the pregnancy has been changing and increasing over the last years and past studies have shown its importance to the mothers' mental health and to family dynamics. However, the way fathers live the pregnancy and their relationship with the unborn child is not yet completely understood and could have significant importance in the future bond and family support that he can provide. The aim of this study is to explore fathers' experiences of antenatal attachment. This also includes the following objectives: understanding how fathers start experiencing antenatal attachment and how it develops throughout the pregnancy; explore how fathers understand, describe and manifest attachment; identify potential factors that interfere with the phenomenon. This is a qualitative, exploratory study using semi-structured interviews. Interpretative Phenomenological Analysis was used to interpret interviews made with 11 fathers-to-be in South East London. Four themes emerged from data analysis: trigger moment: when attachment starts; awareness of responsibility; transition to fatherhood; emotional conflict. Fathers experience pregnancy as levels of reality (knowing about pregnancy, seeing the baby on the scan, seeing the bump, feeling fetal movements, getting prepared for and anticipation of the birth) and with each level the baby becomes more real. Within this progression of reality, most fathers experienced a trigger moment that made the reality of having a baby more clear to them. This moment started or intensified behaviours of attachment with the foetus. With the progression of attachment, many fathers showed concern and delight with imagining the future, both immediate and long-term. Most fathers in the sample looked for ways of becoming good fathers and worried about how to achieve this. Male family relatives and friends with children, including antenatal education groups, provide most of the father support. However, fathers still feel quite lost in their role. Some felt there wasn’t enough concern and help for fathers’ mental health issues. As midwives, being in the privileged position of being the main carer for the family, much more can be done to support these men in their journey so that they can support their partners and babies, through family-focused care and understanding their needs and experiences.


Palavras-chave / Keywords:

Relação paterno-fetal, Vinculação prenatal.

Paternal-foetal relationship, Antenatal attachment.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Fundação Minerva - Cultura - Ensino e Investigação Científica / Universidades Lusíada, 2004-2019
Serviços de Informação, Documentação e Internet
Rua da Junqueira, 188-198 | 1349-001 Lisboa | Tel. +351 213 611 561 | Fax +351 213 638 307 | E-mail: mediateca@lis.ulusiada.pt