O que pensam e o que sentem as famílias em isolamento social = What do families in social isolation think and feel

Fernanda Salvaterra, Mara Chora

Resumo


A crise pandémica que vivemos provocou mudanças na vida familiar, social, laboral e escolar, que se refletiram na saúde mental de adultos e de crianças. Este estudo pretendeu explorar os recursos e as estratégias utilizadas pelas crianças e as suas famílias, para lidarem com a situação que vivenciam, como mantêm a sua saúde mental e qual a relação entre a atitude e os sentimentos de pais e filhos. Participaram 807 famílias portuguesas com crianças dos 4 aos 18 anos. A primeira parte do questionário “O Que Pensam e o Que Sentem as Famílias em Isolamento Social” (Salvaterra & Chora, 2020) foi respondida pelos pais, que reportaram a sua perceção sobre como os filhos se sentiram durante o confinamento, as alterações na vida familiar, as estratégias utilizadas para lidar com a situação (pessoais e com a criança) e os aspetos positivos e negativos do isolamento. A segunda foi preenchida pelos filhos com idade igual ou superior a 8 anos (ncrianças = 437), que referiram como se sentiram, o que faziam e no que pensavam para se sentirem melhor, como ocuparam o seu tempo, os aspetos positivos e negativos do isolamento e as suas preocupações. Avaliaram-se os níveis de ansiedade, depressão e stress dos pais (EADS-21; Lovibond & Lovibond, 1995; Pais-Ribeiro et al., 2004) e os níveis de ansiedade das crianças (Escala Revista de Ansiedade Manifesta para Crianças – CMAS-R; Reynolds & Richmond, 1985; Fonseca, 1992). Verificou-se que a ansiedade, a depressão e o stress dos adultos e a ansiedade das crianças estão associadas; que existem diferenças estatisticamente significativas nestas dimensões em função das mudanças na vida familiar e naquilo que as crianças e as suas famílias sentem e pensam; e que a perceção dos pais sobre a forma como os seus filhos se têm sentido durante a pandemia não é coincidente com os sentimentos reportados pelas crianças. Estes dados evidenciam a importância das relações familiares e de amizade no quotidiano das famílias e na manutenção da sua saúde mental, bem como a necessidade de os pais estarem mais alerta ou não desvalorizarem o que as crianças sentem e manifestam.


The pandemic crisis we are living in brought changes to family, social, school, and work-life, which reflected on adults and children's mental health. This study aimed to explore the resources and strategies used by children and their families to cope with social isolation, how they maintain their mental health and the relationship between parents and children’s attitudes and feelings. Participated in this study 807 Portuguese families with children aged between 4- and 18-years-old. The first part of the questionnaire “What do families in social isolation think and feel” (Salvaterra & Chora, 2020) was responded to by parents, who reported their perception on how children were feeling about social confinement, what changed in family’s life, what coping strategies they used (with themselves and with their children), and what positive and negative aspects they found regarding social isolation. The second part was filled by children with 8-years-old or plus (nchildren = 437), who reported how they felt through this situation, what they did and thought to make them feel better, how they occupied their time and the positive and negative aspects of confinement. Parents’ anxiety, depression, and stress levels were measured (DASS; Lovibond & Lovibond, 1995; Pais-Ribeiro et al., 2004), as well as children’s anxiety levels (Revised Children’s Manifest Anxiety Scale – RCMAS; Reynolds & Richmond, 1985; Fonseca, 1992). Results showed a relationship between parents’ anxiety, depression, and stress and children’s anxiety; statistical differences in these dimensions were found regarding changes in family life and on what families and children think and feel about the situation they have been through; also, parents’ perception of children's feelings during pandemics were not coincident with children’s responses. This data demonstrates the importance of family and social relationships on family’s life and mental health maintenance, as well as the need of parents to be alert and not depreciate children’s feelings.


Palavras-chave / Keywords:

Covid-19, Isolamento social, Família, Criança.

Covid-19, Social isolation, Family, Child.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Fundação Minerva - Cultura - Ensino e Investigação Científica / Universidades Lusíada, 2004-2019
Serviços de Informação, Documentação e Internet
Rua da Junqueira, 188-198 | 1349-001 Lisboa | Tel. +351 213 611 561 | Fax +351 213 638 307 | E-mail: mediateca@lis.ulusiada.pt